Você é o curioso...

    contador de acesso grátis
    ...
    ''O direito a ser iguais, quando a diferença nos inferioriza; o direito a ser diferentes, quando a igualdade nos descaracteriza''.

Informação geral.


Depois de algum tempo tendo problemas com o blog, hoje dia 17 de Setempro de 2013 eu consegui arrumar o lealt e o template. Estarei postando alguns textos que já tenho pronto. E para deixar bem claro, todos os textos que aqui são postados são registrados por data e hora de postagem pelo blogspot que faz parte do google.com. Os textos que não são de minha autoria terão o nome do autor em baixo do texto em questão. Já os que não têm nome por logica devera ser os meus. Espero que gostem do blog, e agradeço se puderem comentar as postagens.

Grato: Welder Campos Rodrigues.

Sobre uma garota e seu nômade interior, e a única herança deixada para o mundo.




Era uma vez... uma garota dentro de um caminhão. Tinha um volante no horizonte e um motor no coração. Ela não entendia o porquê que em sua vida lhe faltava constância. Vivia cheia de liberdade, até que a ânsia nasceu. Não ânsia de viver ou de se libertar. Era ânsia de paz, ânsia de ser um lar.
Fazia paradas para vomitar. Sentia-se mareada só em sentir o cheiro do mar. Lentamente, um mundo com um único habitante brotava em sua barriga bronzeada, sutilmente uma vida se formava, deixando-a despedaçada. A vida lhe trazia medos, lágrimas escorriam. Sua alma era viajante, não tinha outro dom. Percorria a vida cantando sem perder o tom: Um passo sem pensar, um outro dia, um outro lugar.
Até que um dia, seu corpo desabou um vento forte soprou e a bolsa estourou. Pode não parecer, mas até que doeu. E então, um novo humano saiu e gemeu. Sim... agora era mãe e um pai também. Sabia que para ela a vida não diria amém, a pequena criança era bonita e tinha os olhos verdes. Viveria uma vida esquisita em meio ao som do blues e do rock.
A mãe não tinha cuidado, vivia em função de um ou outro namorado, gostava das noitadas e de toda boemia. Gozava nas viradas de ano, e era só poesia. E quando acabava, pedia mais, pedia mais, pedia mais.
Dizia please. Mas bem lá no fundo, a verdade era que ela queria era bis.
E o bebê sorria.
Sorria com o sorriso de fotografia.   
A vida para ele, era festa e o sangue lhe fervia. Fizera oito anos e odiava maresia, em uma noite sombria punha-se a rodar pelas ruas vazias do centro de mais uma cidade desconhecida. Até que um dia, veio-lhe a fúria e a incomunal rebeldia.
O garoto fez a temível injúria para a vida que ruía. Fizera então, 15 anos e cansara-se das noitadas à beira-mar. Deu adeus as namoradas e aos namorados, e ao seu nômade lar.
A vida lhe chamou e ele foi lá.
A mãe o ignorou. Disse:
 - Vai.
O filho foi e lá voou.
Não mais garota, em seu caminhão pôs-se a dormir. E, com um novo amante, a sorrir.
Até que acabou-lhe a sorte.
A Garota do Caminhão chegou em seu leito de morte.
Um câncer lhe destruiu o coração em um só corte. Morreu abraçada a foto do filho fugido.
E ele, no Triangulo das Gerais, nunca soube que sua mãe tinha morrido.

0 comentários:

Viva o Livre!

Declaro aberto os portões desta Sociedade Alternativa. Sintam-se platéia de um palco cheio de personagens que nem eu sei de onde vieram.
A única coisa que sei é que eles estão dentro de mim e que vão começar a aparecer.

Melhor se acomodar, que a cortina já abriu...

Curiosidades..

Minha foto
"Eu acho legal o pessoal acessar o blog e não deixar um recadinho… É massa, é a mesma coisa que você cagar e não puxar a descarga… Porque querendo ou não você usou aquilo, pode ser num momento de merda, mas usou certo? Não custa deixar um recadinho falando… legal…"

Seguidores

Eu queria ser poeta. Mais sou apenas um contador de historias.