Você é o curioso...

    contador de acesso grátis
    ...
    ''O direito a ser iguais, quando a diferença nos inferioriza; o direito a ser diferentes, quando a igualdade nos descaracteriza''.

Informação geral.


Depois de algum tempo tendo problemas com o blog, hoje dia 17 de Setempro de 2013 eu consegui arrumar o lealt e o template. Estarei postando alguns textos que já tenho pronto. E para deixar bem claro, todos os textos que aqui são postados são registrados por data e hora de postagem pelo blogspot que faz parte do google.com. Os textos que não são de minha autoria terão o nome do autor em baixo do texto em questão. Já os que não têm nome por logica devera ser os meus. Espero que gostem do blog, e agradeço se puderem comentar as postagens.

Grato: Welder Campos Rodrigues.

Tão Forte E Tão Perto





Eu assisti a um filme simplesmente perfeito. Sobre Oskar Schell que é um garoto muito inteligente que sofre da síndrome de Asperger.

E fora seu pai (Tom Hanks) tem muita dificuldade em se relacionar com outras pessoas. Após a morte do seu pai no atentado de 11 de setembro, o menino se vê completamente perdido, traumatizado e sozinho. 
No armário do pai, Oskar encontra um vaso, após quebrá-lo depara-se com um envelope, e nele há um nome escrito: Black, dentro do envelope acha uma chave, e depois disso passa a querer encontrar o que aquela chave abriria, então começa uma busca, e ele percorre toda a Nova Yorque para encontrar algo, que ele nem sabe se vai achar. 

A sua idéia foi procurar na lista telefônica quantas pessoas com o nome Black existiam, e descobriu 417, daí ele começa a procurá-las uma a uma, com o intuito de desvendar o mistério.
Independente da discussão sobre o atentado, o que encontramos nesse longa é a história de uma criança, tentando encontrar uma maneira de manter a lembrança de seu pai sempre por perto, mas ele acaba conhecendo pessoas, que perderam seus entes queridos também e descobre que a vida não foi só injusta pra ele.

Baseado no livro de Jonathan Safran Foer (Extremely Loud and Incredibly Close) é um filme de um sentimentalismo irritante, um garoto que despreza sua mãe, e por onde passa conta sua história e comove as pessoas, uma criança repleta de dificuldades e cheia de traumas. 
Aos poucos vai livrando-se delas, graças a um personagem um tanto estranho, que apenas se comunica escrevendo em um bloco de notas, mais tarde ele vem a descobrir que aquele homem é seu avô. Por um certo tempo o homem  acompanha-o em sua jornada, mas nem ele consegue aturar mais a obsessão do garoto.

O diretor Stephen Daldry (O Leitor) fez um bom trabalho, mas o crédito vai para o roteirista Eric Roth (Forrest Gump) soube fazer com que nos emocionássemos com a história, com toda a trajetória do menino, e as lembranças de seu pai. O final é o que vale ter assistido, Sandra Bullock arrasou em seu papel dramático, no princípio apagada, mas uma reviravolta faz com tenhamos uma outra perspectiva da história. Oskar é um garoto chato, irritante, mas soube guiar a história muito bem, pois o personagem pedia que fosse assim, todas aquelas manias dele, por exemplo: andar com um pandeiro pelas ruas para se sentir mais calmo, é uma das implicâncias que criamos para com o personagem.
O atentado de 11 de setembro é apenas um pano de fundo para a história de um garoto estranho, que sofre pela ausência de um pai, que era tudo na sua vida. 
É admirável que ainda tenham a capacidade de inovar diante a um fato já tão explorado pelo cinema.
É impossível assistir e não se emocionar com este filme!


0 comentários:

Viva o Livre!

Declaro aberto os portões desta Sociedade Alternativa. Sintam-se platéia de um palco cheio de personagens que nem eu sei de onde vieram.
A única coisa que sei é que eles estão dentro de mim e que vão começar a aparecer.

Melhor se acomodar, que a cortina já abriu...

Curiosidades..

Minha foto
"Eu acho legal o pessoal acessar o blog e não deixar um recadinho… É massa, é a mesma coisa que você cagar e não puxar a descarga… Porque querendo ou não você usou aquilo, pode ser num momento de merda, mas usou certo? Não custa deixar um recadinho falando… legal…"

Seguidores

Blog Archive

Eu queria ser poeta. Mais sou apenas um contador de historias.